ABJD e MMM acionam CNMP para investigar e punir promotora que cometeu crimes contra a criança estuprada e grávida

22/06/2022

ABJD e MMM acionam CNMP para investigar e punir promotora que cometeu crimes contra a criança estuprada e grávida


Terror psicológico, desvio de finalidade, violação de normas legais, direitos e garantias de uma criança e severo abuso institucional. De acordo com a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e a Marcha Mundial de Mulheres (MMM), esses são os crimes cometidos pela promotora de Santa Catarina, Mirela Dutra Alberton, que atuou na audiência da menina de 11 anos, estuprada e grávida. Por isso, as organizações protocalaram uma Reclamação Disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), nesta quarta, 22, pedindo que o órgão afaste, investigue e aplique as penalidades cabíveis à integrante do MP.


“O Ministério Público, que deve atuar como fiscal da lei e, neste caso, especialmente na tutela dos interesses da criança, quando provocado pela sociedade, atuou de modo a impor terror psíquico e moral”, definem.


O documento afirma que na condução e nas perguntas durante a audiência, a criança claramente afirma que não quer o bebê; que a condição dela atrapalha o estudo e que pretende voltar para casa. Em uma ação quase inacreditável, a magistrada (Joana Zimmer) questiona a menina, que está em uma condição de vulnerabilidade assustadora, sobre o que pensaria o estuprador, nominando-o como “o pai do bebê”. “Nesse momento, o que se esperaria da promotora, como fiscal da lei e na tutela dos interesses de uma criança, era exatamente reprimir a postura e o procedimento de condução da juíza. Porém, o que se viu foi a integral adesão ao assédio praticado, tendo, assim, vitimado a criança em duplo assédio na abordagem”, explicam as entidades.


Para defender a não realização do aborto, Mirela afirma que “O Brasil não concorda”, deixando claro um desvio de finalidade e desapego aos seus respectivos ofícios, uma vez que se trata de afirmação político-social, de fundo não técnico, e, claramente, revela desejo de ambas (juíza e promotora). 


“Cabia à Promotora de Justiça o dever de zelar pela proteção e pela segurança da criança. Ao oposto, Mirela violou normas legais, direitos e garantias e praticou grave e severo abuso institucional. O Estado tem o dever de proteger uma criança vítima de estupro e não pode, tampouco deve medir esforços e mecanismos para tanto”, explicam. 



Violações


A ABJD e a MMM ressaltam que cada agressão e assédio verbais praticados; uso de linguística para fragilizar a criança em relação ao feto que carrega fruto da extrema violência, como “bebezinho, nenezinho” e depois termos como “agonizar” “matar”, condutas que são compreendidas como não aceitáveis. Tudo isso, apenas revela a torpeza, crueldade, agressividade com a qual a ordem moral foi conduzida.



Em momento algum, a partir dos trechos da audiência disponibilizados, pode-se compreender alguma preocupação da promotora com a saúde, integridade, moral e dignidade da criança (vítima de estupro). “Denota-se um show de horrores com premeditada intenção da representada (Mirela) em não permitir o procedimento de aborto, inclusive ingressando com pedido para que fosse revogada decisão de juiz outro, que assim havia decidido”. 



Por fim, a Reclamação Disciplinar aponta que a promotora de justiça violou dispositivos do Código Penal Brasileiro, a Lei nº 13.431/2017, a Lei 14.245/2021 de diversos dispositivos da Lei 8.069/1990 (ECA), e Lei n. 8.625/93, incidindo em graves violações de seus deveres funcionais, com adoção de postura incompatível com o exercício das atividades do Ministério Público. 


“A promtora, diante da crueldade da magistrada, deveria exercer o papel institucional que lhe é atribuído, primária e originalmente por lei. O último apelo e socorro que possuía a criança na sala de audiência era a representada que, desviou-se de seu ofício, e aliou-se à barbárie”, concluem.



ABJD e MMM acionam CNMP para investigar e punir promotora que cometeu crimes contra a criança estuprada e grávida

Escolha a ABJD mais próxima de você

TO BA SE PE AL RN CE PI MA AP PA RR AM AC RO MT MS GO PR SC RS SP MG RJ ES DF PB