Com dados da CPI da Covid, ABJD faz nova denúncia contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

Foto: Marcos Corrêa-PR Acesse o documento em português e inglês Com base em fatos novos levantados pela CPI da Covid, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou nesta terça-feira, 09, no Tribunal Penal Internacional (TPI), um adendo onde pede que a Corte dê seguimento à representação realizada em abril de 2020. A intenção é que seja investigada a denúncia feita pela entidade contra Jair Bolsonaro por cometimento de crimes humanitários contra a população brasileira ao assumir a opção de imunidade de rebanho, com boicote ao programa de vacinação e negação das políticas de cuidados sanitários .  De acordo com os juristas, a sistematização de dados produzidos pela CPI da Covid e por vários pesquisadores revelam o empenho e a eficiência da atuação do presidente e da União em prol da ampla disseminação do vírus no território nacional. “As normas produzidas, decretos e vetos a leis votadas no Congresso, os discursos e atos de Bolsonaro foram determinantes para

NOTA | Forum Social Mundial - Justiça e Democracia é adiado devido ao risco sanitário


Em reunião extraordinária, no último dia 12 de janeiro, o Comitê Facilitador do Fórum Social Mundial - Justiça e Democracia (FSMJD) reconheceu que a condição sanitária do país torna imperativo o adiamento do nosso primeiro encontro, previsto para o período de 26 a 30 de janeiro, em Porto Alegre.


A variante Omicron/SARS-COV-2, somada ao amplo contágio por vírus gripais, vem pressionando os sistemas público e privado de saúde, fazendo com que os cuidados preventivos sejam questão central na política de saúde pública do país.

Vimos, desde nossa origem, lutando pela justiça e democracia; pela defesa e promoção de todos os aspectos da sociedade política que sejam promotores da condição humana. Não será diferente agora. Acreditamos que, a despeito do nosso imenso desejo de ocupar ruas e avenidas para tornar a nossa resistência palpável, a responsabilidade em fazer a política da vida é maior. Mantemos o nosso repúdio à política genocida.

Nós nos tornamos grandes e, atualmente, contemos em nós a expressão de força de quase 200 instituições dos múltiplos segmentos da sociedade organizada, que, além de participarem da construção das atividades promovidas pelo próprio Fórum Social Mundial Justiça e Democracia, inscreveram mais de 120 atividades autogestionadas, todas com temas de extrema importância. Vamos somar nossos esforços aos brasileiros e brasileiras que estão na linha de frente dessa luta seja como profissional da saúde, seja como vítima da doença.

Ao mesmo tempo, reconhecemos o nosso agigantamento e a importância de mantermos a força da nossa pauta, da nossa luta, da nossa agenda, das nossas pretensões. Somos um movimento de forças sociais progressistas que, já tem no hoje, o olhar sobre o amanhã; nos mantermos agremiados para redefinir coletivamente os termos do nosso encontro, ainda sem data definida, que mantém a indicação de ser presencial.

Acreditamos que ainda temos mais o que crescer, o que fortalecer. Por isso, usamos também desta nota para convidar você e a instituição da qual faz parte, para integrar o FSMJD. Nos colocamos como uma das alternativas de resistência em defesa da justiça e da democracia e queremos você presente construindo o futuro do FSMJD.

Junte-se a nós, venha, participe, some!