Com dados da CPI da Covid, ABJD faz nova denúncia contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

Foto: Marcos Corrêa-PR Acesse o documento em português e inglês Com base em fatos novos levantados pela CPI da Covid, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou nesta terça-feira, 09, no Tribunal Penal Internacional (TPI), um adendo onde pede que a Corte dê seguimento à representação realizada em abril de 2020. A intenção é que seja investigada a denúncia feita pela entidade contra Jair Bolsonaro por cometimento de crimes humanitários contra a população brasileira ao assumir a opção de imunidade de rebanho, com boicote ao programa de vacinação e negação das políticas de cuidados sanitários .  De acordo com os juristas, a sistematização de dados produzidos pela CPI da Covid e por vários pesquisadores revelam o empenho e a eficiência da atuação do presidente e da União em prol da ampla disseminação do vírus no território nacional. “As normas produzidas, decretos e vetos a leis votadas no Congresso, os discursos e atos de Bolsonaro foram determinantes para

"Pandemias e Pandemônios": Livro analisa a conjuntura de crise no Brasil. Baixe grátis.


Acaba de ser lançado o livro Pandemias e Pandemônios no Brasil que reúne 38 autores e autoras e analisa as pandemias decorrentes do coronavírus, mas também dos sistemas de opressão e do capitalismo. A obra, organizada pelos professores e integrantes da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), Cristiane Brandão Augusto e Rogerio Dultra dos Santos, se debruça, ainda, sobre o pandemônio do Governo de Jair Bolsonaro, considerado caótico, incompetente e de perfil fascista.

Contribuíram na obra cientistas políticos, economistas, educadores e educadoras, jornalistas, juristas, médicos e médicas, militantes políticos, pesquisadores e pesquisadoras, psicólogas e sociólogos, que discutem a conjuntura nacional nesse período indefinido das restrições mais variadas e de agravamento das crises sanitária e humanitária. 

Temas

Os autores e autoras tratam do ativismo judicial, biopolítica, cenários pós-pandêmicos, corrupção e patrimonialismo, criminalização da política, democracia, direitos humanos, EaD e ataques à educação, encarceramento e sistema repressivo, fascismo e neofascismo, home office, necrocapitalismo, neoliberalismo, população LGBTI, populismo de direita, precarização do trabalho e dos direitos sociais, racismo, redes de solidariedade, relações entre os poderes, uso político da pandemia no cenário global e violência de gênero.

"As reflexões consistentes nos permitem vislumbrar que país restará depois da crise. Esta é uma obra imprescindível para compreender e se posicionar em tempos tão conturbados", reforçam os organizadores. 

A publicação é uma parceria entre o Instituto Declatra (Defesa da Classe Trabalhadora) e a Editora Tirant Lo Blanch.