ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

Nota | ABJD-SP repudia ação da PM-SP que vitimou 9 pessoas em Paraisópolis


Foto: Jose Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo


A ABJD (Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia) repudia a ação da Polícia Militar do Estado de São Paulo que vitimou nove pessoas, sendo uma mulher e oito homens mortos pisoteados, durante um baile funk na comunidade de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, na madrugada deste domingo (1/12).

A alegação, segundo a Polícia Civil, de perseguição policial seguida de troca de tiros, não pode ser aceita nem tolerada como justificativa para o ocorrido.

Lamentamos também a postura do Governador de São Paulo, João Dória, que, ao adotar e incentivar o policiamento repressivo e ostensivo em detrimento da prevenção, acaba por aumentar a violência policial e a letalidade em ocorrências que deveriam ser trabalhadas com precaução.

A criminalização das pessoas que convivem nas regiões periféricas e daquelas que frequentam os bailes funk, a partir da formação de um estereótipo criminoso, resulta em ações violentas e repressivas por parte do Estado e vitimiza a população que segue sendo exterminada por quem deveria garantir a sua proteção.

Manifestamos, ainda, total solidariedade aos familiares e amigos das vítimas de Paraisópolis, exigindo que o Governo do Estado de São Paulo adote imediata providência em relação aos responsáveis pelo trágico ocorrido.