ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

ABJD solicita que OEA apure as denúncias de Caixa 2 de Bolsonaro


A Organização dos Estados Americanos (OEA) recebeu nesta segunda-feira (22), representação da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) solicitando que a organização investigue as denúncias do Jornal Folha de São Paulo sobre a campanha de Bolsonaro. Na carta, que foi destinada à Laura Chinchilla, chefe da missão da OEA de acompanhamento das eleições brasileiras, os juristas reforçam a importância da missão, mas cobram que as denúncias sejam investigadas para a garantia da soberania popular. 


Na semana passada a Folha de S. Paulo fez uma série de reportagens descrevendo a prática de Caixa 2 pela campanha de Jair Bolsonaro para financiar a distribuição ilícita de notícias falsas pelo Whatsapp. A Justiça Eleitoral determinou que o TSE investigue a denúncia, entretanto negou o pedido de impugnação da chapa de Bolsonaro. "Diante desse cenário, não nos resta alternativa a não ser recorrer a organismos internacionais, como a OEA para cobrarmos o zelo por eleições democráticas no Brasil" explica Cezar Britto da executiva da ABJD. A entidade notificou a presidenta do TSE, Rosa Weber sobre a solicitação feita a OEA. 

Leia a carta na íntegra:

Excelentíssima Senhora Chefe,

O jornal Folha de São Paulo, um dos maiores e mais importantes veículos de circulação impressa do Brasil, na sua edição de 18/10/2018 denunciou o financiamento ilegal com recursos de "caixa 2" da campanha do candidato Jair Bolsonaro, por empresas e empresários, com o objetivo de viabilizar esquema ilícito de manipulação do aplicativo WhatsApp com notícias falsas [fake news] que são disseminadas em larga escala para prejudicar o candidato Fernando Haddad.

À continuação, nas sucessivas edições diárias, o jornal ofereceu novas reportagens com pormenores do esquema denunciado. A garantia da soberania popular e o respeito à concretização da plena vontade da cidadania brasileira é princípio essencial para a garantia da democracia e do Estado de Direito no Brasil.

Muito nos anima saber que o zelo desse princípio democrático fundamental encontra ressonância na missão institucional de observação do processo eleitoral que Sua Excelência conduz com diligência, conforme deduz-se de suas palavras à EBC em 7/10/2018, quando expressou que "a preocupação que mais tememos, após manifestações de diferentes setores, é o tema das 'fake news', fenômeno recente que não ocorre apenas no Brasil".

Com o objetivo de assegurar a lisura da eleição no Brasil, solicitamos que a Missão da OEA presidida por Sua Excelência acompanhe as investigações e averigue se as práticas ocorridas, uma vez confirmadas, estão em consonância com o artigo 222 do Código Eleitoral [Lei 4737/65] do país, com as Leis e com a Constituição da República Federativa do Brasil.

Cordialmente,
Associação Brasileira de Juristas pela Democracia