ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

Nota pública sobre a agressão ao advogado e candidato à deputado estadual Renato Freitas

Violação de direitos humanos e afronta ao Estado de Direito



A ABJD – Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia, núcleo Paraná, vem publicamente manifestar seu apoio ao militante de direitos humanos, advogado e candidato a deputado estadual Renato Freitas, tendo em vista às graves agressões por ele sofridas no último domingo (09/09).
Renato Freitas estava realizando uma atividade de campanha numa praça pública de Curitiba, quando foi violentamente abordado e injustificadamente baleado pela Guarda Municipal de Curitiba. Foram três tiros de bala de borracha, sendo um na mão e dois nas costas.

Ferido, sangrando e com dores, o militante foi levado de camburão a um hospital e, por mais de duas horas, enquanto aguardava a avaliação dos exames médicos realizados, seus advogados foram impedidos de terem acesso a ele.Na sequência, o candidato foi levado à uma delegacia de polícia, onde foi indiciado pelas autoridades policiais pelos “crimes” de desacato, desobediência e resistência.

É a segunda vez que Renato Freitas foi agredido e preso pela Guarda Municipal de Curitiba. A primeira prisão, ocorrida em 2016, ocorreu no exercício da sua atividade profissional, tendo a ação penal sido arquivada. O advogado, face à agressão sofrida, denunciou administrativamente os guardas envolvidos.

Coincidentemente, na semana que antecedeu a segunda prisão, o militante de direitos humanos foi ouvido no procedimento de sindicância, quando denunciou a atuação ilegal dos guardas envolvidos. 

A prisão e as agressões sofridas por Renato Freitas consistem em graves violações de direitos humanos, de modo que a atuação opressora da Guarda Municipal é incompatível com o Estado Democrático de Direito, assim como são inadmissíveis as violações das prerrogativas profissionais dos seus advogados.

Pela presente nota pública, portanto, a Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia, núcleo Paraná, denuncia os graves fatos ocorridos, assim como declara seu apoio ao advogado e militante Renato Freitas, bem como à sua luta em prol da dignidade da população negra e dos jovens periféricos. Vozes que não podem ser caladas. Exigimos apuração imediata pelo Poder Público Municipal quanto aos abusos ocorridos. 

Curitiba, 11 de setembro de 2018.