Com dados da CPI da Covid, ABJD faz nova denúncia contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

Foto: Marcos Corrêa-PR Acesse o documento em português e inglês Com base em fatos novos levantados pela CPI da Covid, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou nesta terça-feira, 09, no Tribunal Penal Internacional (TPI), um adendo onde pede que a Corte dê seguimento à representação realizada em abril de 2020. A intenção é que seja investigada a denúncia feita pela entidade contra Jair Bolsonaro por cometimento de crimes humanitários contra a população brasileira ao assumir a opção de imunidade de rebanho, com boicote ao programa de vacinação e negação das políticas de cuidados sanitários .  De acordo com os juristas, a sistematização de dados produzidos pela CPI da Covid e por vários pesquisadores revelam o empenho e a eficiência da atuação do presidente e da União em prol da ampla disseminação do vírus no território nacional. “As normas produzidas, decretos e vetos a leis votadas no Congresso, os discursos e atos de Bolsonaro foram determinantes para

Carta de Solidariedade ao Povo Palestino


Angelos Tzortzinis /AFP

 1. O terrível conflito territorial que envolve Israel e Palestina provocou mais sofrimentos e mortes aos palestinos que vivem na região da Faixa de Gaza. Foram 11 dias de repressão diária das forças israelenses contra cidadãos palestinos que chocaram o mundo com imagens de adultos e crianças feridas, pessoas mortas e funerais dos palestinos vítimas do violento ataque.

2. Após dias consecutivos de incessantes bombardeios e investidas militares contra a região, ocorreram pelo menos 242 mortes, incluindo 65 crianças, 39 mulheres e 17 idosos. Segundo dados veiculados internacionalmente, os feridos passam de 1,7 mil.

3. Para além de todo cenário de violência, de remoções forçadas das famílias em virtude dos ataques e das destruições de espaços públicos e privados, seguimos enfrentando, ao nível global, a crise humanitária provocada pela pandemia da COVID-19, que afeta as populações mais vulneráveis, o que torna a ofensiva israelense ainda mais grave e danosa para o povo palestino. Discordamos de atos de violência entre Estados para tentativas de imposição e de controle das populações e seus territórios sagrados e de vida.

4. Não obstante a existência de diferentes posições e táticas de grupos que lutam por causas e direitos naquele contexto, em conformidade com os princípios de humanismo e solidariedade internacional que defendemos, repudiamos o brutal ataque do governo de Israel contra o povo palestino.

5. Conclamamos os Organismos Internacionais o cumprimento de seus mandatos em prol dos direitos humanos e da solução pacífica dos conflitos. 

6. Solidarizamo-nos com a população palestina, violentada em função dos últimos ataques sofridos.


 Associação Brasileira de Juristas pela Democracia – ABJD