Retrospectiva 2020 | "São histórias que a história qualquer dia contará"

2020 chega ao fim nos deixando uma grande lição sobre a necessidade urgente de justiça, de solidariedade, de saúde, de garantia de direitos e respeito à democracia.  A ABJD agradece a todas e todos associadas (os), companheiras (as) e entidades parceiras que estiveram juntos nas trincheiras da resistência e da sobrevivência, se solidariza profundamente com as vítimas da pandemia e familiares, e deseja que em 2021 tenhamos ainda mais força e coragem para seguirmos nas importantes batalhas por um mundo mais justo. Vamos à luta! Feliz Ano Novo!

NOTA | ABJD-DF apoia paralisação do rodoviários

 


A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia – ABJD, neste primeiro de maio de luta da classe trabalhadora, manifesta APOIO irrestrito ao Sindicato dos Rodoviários do DF, que promoverá  paralisação por vinte e quatro horas do sistema transporte público coletivo do DF na data de 03/05/2021, para cobrar do Distrito Federal que sejam incluídos no calendário de vacinação.

O transporte é direito social marcado na Constituição Federal e quem garante a mobilidade da população para a salvaguarda desse direito constitucional  é a classe trabalhadora que coloca suas vidas em risco em jornadas de mais de 07 ( sete) horas diárias, em ambientes confinados, lotados, sem o distanciamento social recomendado, mãos grudadas nas barras de ferro e nos bancos,  respirando coletivamnete o vírus , para depois transportá-lo para suas famílias.

A categoria viaja com a população sem direito ao isolamento social desde o início da pandemia, com o vírus a lhes rondar de noite e de dia e isso já custou a vida de 31 ( trinta e um) trabalhadores. Isolam-se apenas em seu leito de morte, distantes da família, sem o direito a um último adeus.Foi o caso do Ediomar, do Francisco Luiz, do Adilson e tantos outros trabalhadores que perderam a guerra pra COVID-19.

Uma política de morte instalada pelo Governo Federal que rompeu com preceitos de direitos humanos e não cuidou da propagação de um vírus que já ceifou a vida de mais de 400.000 brasileiros e brasileiras e que faz com que  a classe trabalhadora pague com a vida o negacionismo, o produtivismo e a defesa da economia sobreposta à vida humana.

A paralisação das trabalhadoras e trabalhadores do sistema de transporte público coletivo no DF é um recado às autoridades de que o transporte é essencial e essencial na manutenção de vidas. Essencial na manutenção da economia.  É um protesto. É O PAREM DE NOS MATAR.

O transporte não é o ônibus. O transporte é o (a) Motorista; a Cobradora; o Mecânico; o(a) Despachante; o (a) Lavador (a). É o João, a Maria, o Jair, a Alzira, a Yolanda. É o pai, a mãe, a namorada, a esposa, a irmã, o amor de alguém. Vidas que se perderam diante dos olhos complacentes do Poder Público que nega a alta exposição  e a necessidade de vacinação imediata.

Vacinar os rodoviários e rodoviárias é proteger as suas vidas e a vida de toda a classe trabalhadora. 

“ Trabalhadores de todo o mundo Uni-vos”

A ABJD se une à luta do Sindicato dos Rodoviários do DF e brada: NENHUMA VIDA A MENOS. VACINA JÁ PARA OS RODOVIÁRIOS E RODOVIÁRIAS.