ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

ABJD defende o legítimo direito de greve dos petroleiros da Petrobras

Trabalhadores em todo o Brasil reivindicam a suspensão do fechamento da fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) - FUP

Cada vez mais forte, a greve dos petroleiros da Petrobras entra em seu 12º dia nesta quarta-feira (12). De acordo com a FUP (Federação Única dos Petroleiros), já são 102 unidades do Sistema Petrobrás mobilizadas em 13 estados do país. Os trabalhadores cobram a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), previstas para terem início na sexta-feira, (14), e o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho.

Nesta quinta-feira, 13/02, um ato será realizado no Rio de Janeiro, em defesa da Petrobras. 


A ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) apoia incondicionalmente o movimento dos petroleiros e tem participado dos atos. "Não se trata apenas de questão salarial ou melhores condições de trabalho, mas é uma paralisação comprometida com a defesa de uma das maiores riquezas do povo brasileiro, a nossa Petrobras", destaca a professora da PUC-Rio e integrante da ABJD, Gisele Cittadino. 

Ainda nesta quarta, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, concedeu liminar determinando que os sindicados de petroleiros cumpram decisão judicial anterior, determinando a manutenção de 90% dos trabalhadores nas unidades de produção da Petrobras.

Cittadino reforça que nesse momento, as normas legais no Brasil estão restringindo o legítimo direito de greve, transformando trabalhadores em criminosos. "A sociedade brasileira precisa entender que defender a ação dos petroleiros é agir em conformidade com os interesses de cada cidadão deste país", aponta.


 Membro da Executiva Nacional da ABJD, Marcelo Nogueira, enfatiza que o movimento dos petroleiros é fundamental e pode ser o início de uma virada contra a política entreguista, neofascista e ultraliberal do ministro da Economia Paulo Guedes e do Governo Bolsonaro. "A Petrobras é uma questão de soberania nacional não podemos nos sujeitar às regras do capital internacional", afirma.

Nogueira lembra que a estatal estava na vanguarda da tecnologia da exploração do petróleo e derivados. "No entanto, estão tentando transformar o Brasil em exportador de matéria prima sem desenvolver tecnologia, sem dar continuidade a esse trabalho fantástico que vinha sendo feito ao longo dos anos". 

Serviço

Ato em defesa da Petrobras contra os ataques de Bolsonaro e Mourão
Local: Concentração na Candelária, sentido Cinelândia. Rio de Janeiro-RJ
Data: 13/02/2020
Hora: 17h