ABJD denuncia Bolsonaro por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional

Presidente estimula o contágio e coloca a vida de milhares de pessoas em risco na pandemia A ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) protocolou nesta quinta-feira, (2/4) uma representação (Leia a íntegra em português e inglês) no TPI (Tribunal Penal Internacional) contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, pela prática de crime contra a humanidade que vitima a população brasileira diante da pandemia de coronavírus.

Acesse o texto de divulgação em inglês e espanhol.
De acordo com a entidade, o Brasil possui, no atual momento, um chefe de governo e de Estado cujas atitudes são total e absolutamente irresponsáveis. Por isso, solicitam ao TPI que instaure procedimento para averiguar a conduta do presidente e condene Bolsonaro pelo crime contra a humanidade por expor a vida de cidadãos brasileiros, com ações concretas que estimulam o contágio e a proliferação do vírus, aplicando a pena cabível.

“Por ação ou omissão, Bolsonaro coloca a vida da população em risco, come…

Nota | ABJD se solidariza com Aluízio Palmar e repudia processo movido por torturador contra o jornalista



A ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) vem a público manifestar a sua solidariedade ao jornalista Aluízio Ferreira Palmar, notório defensor dos direitos humanos e ex-perseguido político pela ditadura civil-militar brasileira.

Aluízio Palmar foi acionado em juízo pelo ex-tenente Mário Espedito Ostrovski em uma ação de indenização por danos morais que tramita junto ao Juizado Especial Civil de Foz do Iguaçu desde o dia 25/09.

O ex-tenente Ostrovski é citado como torturador em diversos documentos e relatórios, como o da CNV (Comissão Nacional da Verdade), o da Comissão da Verdade do Paraná e o livro Brasil Nunca Mais. 

Aluízio Palmar foi uma das suas vítimas e agora é processado por ter publicado um post no Facebook sobre isto. O ex-tenente foi convocado pela CNV em duas ocasiões e não compareceu, nem ofereceu qualquer justificativa para o não comparecimento. Portanto, causa espécie que somente agora queira insurgir-se negando os fatos notórios a ele atribuídos desde, pelo menos, 1985, quando foi publicado o livro Brasil Nunca Mais.

A ABJD vem, portanto, manifestar seu repúdio à conduta de Mário Espedito Ostrovski, que somente é possível em um país no qual os torturadores, assassinos e seus mandantes não são responsabilizados pelo judiciário. Um país onde o presidente da República celebra a ditadura civil-militar, o presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos celebra o AI-5 e Conselheiros da Comissão de Anistia revitimizam ex-perseguidos políticos, não concedendo a eles a devida reparação e taxando-os, durante as audiências, de subversivos e terroristas.

Por último, a ABJD faz um apelo à OAB-PR (Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Paraná) e à OAB Nacional para que iniciem processo de afastamento dos seus quadros deste cidadão, cujo nome resta listado por autoria de graves violações de direitos humanos no Relatório Oficial da Comissão Nacional da Verdade e da Comissão da Verdade do Paraná, sendo incompatível com os objetivos e o código de ética da entidade manter em seu quadro de advogados e advogadas alguém com essas credenciais. 

A ABJD também espera que o juiz responsável pela ação movida contra o jornalista Aluízio Palmar indefira os pedidos formulados.