ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

Nota | ABJD repudia violência sofrida pelo Desembargador Siro Darlan



A ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia ), entidade jurídica de direito privado, sem fins econômicos, compromissada com a intransigente defesa do Estado Democrático de Direito, repudia veementemente mais uma ação de violência e ataque às garantias constitucionais da Carta Magna, desta feita atingindo o exercício da magistratura do Desembargador Siro Darlan, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Juiz de reconhecida honorabilidade, as agressões praticadas em seu gabinete, e mesmo em sua residência, se somam aos abusos e espetacularizações que marcam o crescente afastamento do Brasil de sua própria ordem democrática, assegurada em rico processo constituinte proclamado em 1988.

Com efeito, as ações persecutórias contra vozes e organizações de tantos e tantas que permanecem em altivez lastreada nos imperativos constitucionais e tratados internacionais recepcionados pelo ordenamento jurídico brasileiro, afrontam marcos civilizatórios, a exemplo das garantias individuais e coletivas, as proteções processuais penais manejadas pela magistratura orientada tão somente pelo efetivo contraditório e respeito às normas jurídicas protetivas da dignidade, sem uso abusivo da restrição do direito de ir e vir quando a legislação dispõe sobre procedimentos outros.

As ações repressivas estimuladas por setores de mídia mais interessados na veiculação em tempo de real de operações policiais cinematográficas, com exposições indevidas de homens e mulheres que postulam pela eficiência do sistema de justiça nos moldes consolidados soberanamente na Constituição Federal em vigência, não podem ser legitimadas, mas ao contrário, merecem a firme repulsa das forças democráticas.

Em tempos de deriva autoritária no Brasil, reafirmar o direito à liberdade virou motivo de desconfiança e defender o Estado Democrático de Direito tornou-se inaceitável para todos aqueles que atacam o Desembargador Siro Darlan enquanto negociam e afastam os direitos da população.

Recuperar a serenidade institucional seguidamente violada por agentes políticos das instituições incumbidas do zelo pelo cumprimento dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, é dever de todos e todas. Não podemos coonestar com medidas de ataques a princípios e garantias basilares dos regimes democráticos.