Retrospectiva 2020 | "São histórias que a história qualquer dia contará"

2020 chega ao fim nos deixando uma grande lição sobre a necessidade urgente de justiça, de solidariedade, de saúde, de garantia de direitos e respeito à democracia.  A ABJD agradece a todas e todos associadas (os), companheiras (as) e entidades parceiras que estiveram juntos nas trincheiras da resistência e da sobrevivência, se solidariza profundamente com as vítimas da pandemia e familiares, e deseja que em 2021 tenhamos ainda mais força e coragem para seguirmos nas importantes batalhas por um mundo mais justo. Vamos à luta! Feliz Ano Novo!

ABJD-DF lamenta a morte do jurista Roberto Aguiar



O Brasil perdeu hoje um de seus grandes juristas. A Unb (Universidade de Brasília) perdeu hoje um de seus pensadores mais brilhantes, a ABJD perdeu um de seus mais ilustres filiados. Ex-Reitor da universidade e professor da Faculdade de Direito, Roberto Armando Ramos de Aguiar exerceu vários cargos públicos, tendo sido secretário de segurança pública em Brasília e no Rio de Janeiro.

Professor Roberto Aguiar, como era simplesmente conhecido e citado, foi em vida e será sempre uma referência para todos que pensam o Direito em sua perspectiva transformadora. Ao afirmar que a justiça conservadora tem como função não somente justificar a opressão, mas segurar as transformações sociais e paralisar a história, enquanto a justiça transformadora somente poderá ser fruto de um saber crítico, de um saber histórico que expresse as contradições, ele jogava luz e nos impelia a pensar qual nosso conceito de Justiça e Direito, e qual nosso papel na sociedade como juristas.

A ABJD, por seu núcleo do Distrito Federal ao qual professor Roberto Aguiar era vinculado, que contém entre seus membros vários ex-alunos seus, além de sua esposa, a companheira Wanja Carvalho, expressa sua mais profunda tristeza com sua partida, certos de que seus ensinamentos seguirão conosco, como base de nossa construção. 

ABJD – Núcleo Distrito Federal