Retrospectiva 2020 | "São histórias que a história qualquer dia contará"

2020 chega ao fim nos deixando uma grande lição sobre a necessidade urgente de justiça, de solidariedade, de saúde, de garantia de direitos e respeito à democracia.  A ABJD agradece a todas e todos associadas (os), companheiras (as) e entidades parceiras que estiveram juntos nas trincheiras da resistência e da sobrevivência, se solidariza profundamente com as vítimas da pandemia e familiares, e deseja que em 2021 tenhamos ainda mais força e coragem para seguirmos nas importantes batalhas por um mundo mais justo. Vamos à luta! Feliz Ano Novo!

ABJD realiza conferência sobre desafios da Democracia, em Curitiba

Evento será dia 8 de abril, no Teatro da Reitoria da UFPR


A Associação Brasileira Juristas pela Democracia (ABJD) realizará a conferência “Para onde vamos? Desafios da Democracia hoje”, no Teatro da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), no dia 8 de abril.

O evento tem presença confirmada da arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco, do economista e escritor Eduardo Moreira, e da advogada Gisele Cittadino, doutora em Ciência Política e integrante da ABJD. Cittadino é coautora do livro “Comentários a uma sentença anunciada”, que reúne dezenas de artigos de juristas sobre a sentença de Sérgio Moro que condenou Lula a 9 anos de prisão no caso Triplex.

A programação começa às 18h30 com apresentações artísticas; prevê um pronunciamento do Reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, às 19h; e palestras das duas convidadas a partir das 19h30.

O evento é gratuito e não exige inscrição prévia.


O que é a ABJD

A Associação Brasileira Juristas pela Democracia foi fundada em maio de 2018, com abrangência nacional e de amplo espectro jurídico-político, como reação às graves violações à Constituição federal de 1988 e à própria Democracia brasileira.

“Vivemos em uma sociedade marcada por processos injustos na divisão social, sexual, racial, étnica e cultural do trabalho e no acesso à justiça e que, fruto das relações de poder no Brasil, muito há que se avançar para realizar o projeto preconizado na Constituição de 1988, que o neoliberalismo tenta destruir”, diz a carta de princípios da entidade.