ABJD lança campanha #MoroMente para explicar os crimes cometidos pelo ex-juiz na Lava Jato

Ato será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP 
Preocupada com o discurso de Sergio Moro de relativização da legalidade e de normalização de desvios, a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) lança nesta quinta-feira (01/08) a campanha #MoroMente para mostrar à população quais foram as violações de direitos cometidas pelo ex-juiz, e apontar as mentiras que ele conta para justificar sua atuação criminosa durante a Lava Jato.

A ação contará com a participação de juristas que irão explicar como os envolvidos na operação Lava Jato atropelaram leis e corromperam a Constituição.

Nesta abertura, o juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois, esclarece porque Moro está mentindo quando diz que é normal o contato regular e de tanta influência com representantes do Ministério Público (MP) no curso de um processo. Assista.

Um ato público será realizado no dia 19 de agosto na Faculdade de Direito da USP, no Largo do São Fra…

ABJD REPUDIA ATAQUES AO PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL


Pressupostos básicos da democracia, a liberdade de expressão e o respeito às instituições entram em risco, quando o Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil recém-eleito, Felipe Santa Cruz, é barbaramente atacado nas redes sociais por suas opiniões, com ameaças, distorções do conteúdo de suas falas e demonstrações de ódio. 

A prática, que infelizmente tornou-se corriqueira no período mais recente no Brasil, e busca se naturalizar como se legítima fosse, apresenta-se como a tentativa de impor o medo e intimidar as vozes que, inclusive por dever de ofício, se pronunciam sobre as grandes questões institucionais da nação.

O Presidente do Conselho Federal da OAB vem se manifestando em consonância com a missão fundamental da entidade que dirige, guardiã da Constituição, da ordem jurídica, do Estado democrático de direito, dos direitos humanos, da justiça social, da boa aplicação das leis e do aperfeiçoamento das instituições jurídicas. Em decorrência disso vem sendo hostilizado, advertido e insultado por pessoas e grupos com comportamento protofascista.

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, que tem em seu corpo de membros parcela pertencente à advocacia, entende que a legislação pátria reserva à OAB, historicamente,  o papel de preservação da ordem democrática e as salvaguardas constantes no texto constitucional, sendo legítimo seu posicionamento ativo e crítico, diante de atos atentatórios à dignidade humana e à moralidade pública, fazendo cumprir o papel fundamental, que decorre de sua independência e autonomia, que devem estar sempre a serviço da cidadania.

Desse modo, a ABJD repudia os ataques feitos ao Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e todas as manifestações de intolerância, ódio e desprezo pela saudável divergência, solidarizando-se e reiterando a necessidade da preservação de um ambiente ético, democrático, de diálogo, livre de autoritarismos e constrangimentos, com garantia do livre debate de ideias.