Com armas e sem proteção

Segundo o instituto Datafolha, em dezembro, 61% eram contra a posse de armas, em outubro eram 55%. O decreto contraria a opinião da maioria da população.
por Gabriel Sampaio*
No último dia 15 de janeiro de 2019 foi publicado o Decreto nº9.685, de 2019 que alterou a regulamentação do Estatuto do Desarmamento (ED). Segundo o texto, passam a ter automaticamente "efetiva necessidade" para adquirir uma arma, além de militares e agentes de segurança pública - sistema penitenciário, socioeducativo, inclusive -, colecionadores, atiradores e caçadores, habitantes de zonas rurais e donos de comércio ou de indústrias, bem como, qualquer habitante de cidades em unidades federativas com mais de 10 homicídios por 100 mil habitantes, segundo o Atlas da Violência 2018.

Também foi estabelecida a necessidade de declaração do postulante à aquisição da arma que mora em residência também habitada por criança, adolescente ou pessoa com deficiência mental, de que a sua residência possui cofre ou l…

A PRISÃO DO LULA E A NOVA ETAPA DA LUTA PELA PRESUNÇÃO DA INOCÊNCIA

A posição adotada pelo ex-presidente Lula de se apresentar à Policia Federal, em decorrência da sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro, foi fruto de intensos debates, realizados por mais de 24 horas com sua equipe de advogados, diversos atores políticos e operadores jurídicos, entre os quais a ABJD esteve presente.

A partir dessa decisão, Lula deflagrou um novo processo de resistência. Sua prisão, ilegal e injusta, potencializa tanto as lutas a serem travadas nas ruas, quanto a responsabilidade jurídica dos defensores da democracia com a disputa no âmbito do Poder Judiciário.

A pauta das Ações Declaratórias de Constitucionalidade 43 e 44 pelo Supremo Tribunal Federal, que pode por fim às prisões após julgamento na segunda instância é a principal bandeira imediata a ser abraçada em defesa da presunção de inocência. Sabemos que o Ministro Marco Aurélio Mello levará na quarta-feira ao plenário o pedido de nova liminar em decorrência da sinalização da mudança da jurisprudência. Nosso papel agora é ajudar para que essa decisão venha.

Transformar a dor e revolta em resistência e luta, ou, como disse o poeta, “transformar o tédio em melodia”.

7 de abril de 2018
Associação Brasileira de Juristas pela Democracia - ABJD